quarta-feira, 8 de junho de 2016

Santo Antônio de Pádua - 13 de Junho





Neste dia, celebramos a memória do popular santo – doutor da Igreja – que nasceu em Lisboa, em 1195, e morreu nas vizinhanças da cidade de Pádua, na Itália, em 1231, por isso é conhecido como Santo Antônio de Lisboa ou de Pádua. O nome de batismo dele era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.
Ainda jovem pertenceu à Ordem dos Cônegos Regulares, tanto que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra, até ser ordenado sacerdote. Não encontrou dificuldade nos estudos, porque era de inteligência e memória formidáveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade. Aconteceu que em Portugal, onde estava, Antônio conheceu a família dos Franciscanos, que não só o encantou pelo testemunho dos mártires em Marrocos, como também o arrastou para a vida itinerante na santa pobreza, uma vez que também queria testemunhar Jesus com todas as forças.
Ao ir para Marrocos, Antônio ficou tão doente que teve de voltar, mas providencialmente foi ao encontro do “Pobre de Assis”, o qual lhe autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho. Neste sentido, Santo Antônio não fez muito, pois seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho, o que era confirmado por muitos milagres, além de auxiliar no combate à Seita dos Cátaros e Albigenses, os quais isoladamente viviam uma falsa doutrina e pobreza. Santo Antônio serviu sua família franciscana através da ocupação de altos cargos de serviço na Ordem, isto até morrer com 36 anos para esta vida e entrar para a Vida Eterna.
Santo Antônio, rogai por nós!

Santo Antônio de Pádua

Santo Antônio de Pádua
1195-1231

Santo Antônio de Pádua é tão conhecido por seu nome de ordenação que chamá-lo pelo nome que recebeu no batismo parece estranho: Fernando de Bulhões e Taveira de Azevedo. Além disso, ele era português: nasceu em 1195, em Lisboa. De família muito rica e da nobreza, ingressou muito jovem na Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho. Fez seus estudos filosóficos e teológicos em Coimbra e foi lá também que se ordenou sacerdote. Nesse tempo, ainda estava vivo Francisco de Assis, e os primeiros frades dirigidos por ele chegavam a Portugal, instalando ali um mosteiro.
Os franciscanos eram conhecidos por percorrer caminhos e estradas, de povoado em povoado, de cidade em cidade, vestidos com seus hábitos simples e vivendo em total pobreza. Esse trabalho já produzia mártires. No Marrocos, por exemplo, vários deles perderam a vida por causa da fé e seus corpos foram levados para Portugal, fato que impressionou muito o jovem Fernando. Empolgado com o estilo de vida e de trabalho dos franciscanos, que, diversamente dos outros frades, não viviam como eremitas, mas saiam pelo mundo pregando e evangelizando, resolveu também ir pregar no Marrocos. Entrou para a Ordem, vestiu o hábito dos franciscanos e tomou o nome de Antônio.
Entretanto seu destino não parecia ser o Marrocos. Mal chegou ao país, contraiu uma doença que o obrigou a voltar para Portugal. Aconteceu, porém, que o navio em que viajava foi envolvido por um tremendo vendaval, que empurrou a nave em direção à Itália. Antônio desembarcou na ilha da Sicília e de lá rumou para Assis, a fim de encontrar-se com seu inspirador e fundador da Ordem, Francisco. Com pouco tempo de convivência, transmitiu tanta segurança a ele que foi designado para lecionar teologia aos frades de Bolonha.
Com apenas vinte e seis anos de idade, foi eleito provincial dos franciscanos do norte da Itália. Antônio aceitou o cargo, mas não ficou nele por muito tempo. Seu desejo era pregar, e rumou pelos caminhos da Itália setentrional, praticando a caridade, catequizando o povo simples, dando assistência espiritual aos enfermos e excluídos e até mesmo organizando socialmente essas comunidades. Pregava contra as novas formas de corrupção nascidas do luxo e da avareza dos ricos e poderosos das cidades, onde se disseminaram filosofias heréticas. Ele viajou por muitas regiões da Itália e, por três anos, andou pelo Sul da França, principal foco dessas heresias.
Continuou vivendo para a pregação da palavra de Cristo até morrer, em 13 de junho de 1231, nas cercanias de Pádua, na Itália, com apenas trinta e seis anos de idade. Ali, foi sepultado numa magnífica basílica romana. Sua popularidade era tamanha que imediatamente seu sepulcro tornou-se meta de peregrinações que duram até nossos dias. São milhares os relatos de milagres e graças alcançadas rogando seu nome. Ele foi canonizado no ano seguinte ao de sua morte pelo papa Gregório IX.
Na Itália e no Brasil, por exemplo, ele é venerado por ajudar a arranjar casamentos e encontrar coisas perdidas. Há também uma forma de caridade denominada "Pão de Santo Antonio", que copia as atitudes do santo em favor dos pobres e famintos. No Brasil, ele é comemorado numa das festas mais alegres e populares, estando entre as três maiores das chamadas festas juninas. No ano de 1946, foi proclamado doutor da Igreja pelo papa Pio XII.
Fonte: Paulinas em 2015


Santo Antônio de Pádua

Santo Antônio nasceu em Lisboa, Portugal, com o nome de Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo em 15 de agosto de 1195. Foi batizado na Sé de Lisboa, uma semana após o seu nascimento. Era de família nobre e rica. O pai, senhor Martinho, ocupava o cargo de Prefeito de Lisboa. A mãe Dona Teresa, pertencia a alta nobreza. O menino cresceu cercado de todos os cuidados: boa instrução moral, científica, religiosa e muito conforto. Aos poucos percebeu que a vida de riqueza não lhe agradava e sentiu o chamado de Deus.
Estudou na Catedral (onde seria também menino do coro), os rudimentos - trivium, cômputo, saltério e música. Reza a lenda que fez lá o seu primeiro milagre, insculpindo na parede uma cruz, afastando assim o demônio que tentava atormentá-lo.
Aos quinze anos entrou, em S. Vicente de Fora, no Mosteiro de Cônegos Regrantes de Santo Agostinho, onde fez o noviciado, mudou o nome para Antônio e de onde transitou - apesar do voto de stabilitas loci- para Coimbra, aos vinte anos. Em Santa Cruz ultimou sua formação e foi ordenado, sendo-lhe destinado o cargo de Porteiro, pelo que tem a oportunidade de conhecer os recém-chegados Frades menores de S. Francisco que habitavam o eremitério de Santo Antão, nos Olivais. É também em Santa Cruz que aprofunda os seus estudos teológico-filosóficos de raíz platônico-agostiniana e aí adquire a preparação necessária à escrita dos seus Sermões. Após a passagem por Coimbra das relíquias dos cinco mártires franciscanos mortos em Marrocos em tarefa missionária, transita dos Cônegos Crúzios para os Olivais, onde ingressou na Ordem Franciscana e obteve permissão para pregar em Marrocos.
Após uma breve experiência contemplativa em Montepaolo reconhecem-lhe, quando da ordenação conjunta de Frades Menores e de Pregadores de S. Domingos, em Forli, grandes capacidades oratórias e vasto conhecimento exegético. O quarto onde dormia era simples, teciam a própria roupa, faziam os serviços mais humildes. Foi um período de aproximadamente um ano.
Foi nomeado então pregador na região da Romanha e encarregado por S. Francisco de ensinar teologia aos frades. Enviado ao sul da França, numa tentativa de missionação dos cátarosalbigenses, por lá permaneceu dois anos pregrando e ensinando em Toulouse e Montpellier e desempenhando vários cargos na Ordem, como o de Custódio de Limoges e de Guardião em Le Puy. Regressou à Itália como Provincial da Emília Romanha. O navio em que volta para Lisboa se perdeu em uma tempestade e foi parar em Messina, na Sicília, onde foi enviado ao Capítulo Geral dos Frades Menores (Capítulo das Esteiras), aí conhecendo S. Francisco de Assis. . Lá então, onde Deus o esperava, começou sua vida de pregação. Multidões queriam ouvir o santo falar. Sua fala simples comovia a todos.
Já em Pádua, onde ensina Teologia, retoma o trabalho da escrita e reestrutura os seus Sermões material auxiliar a pregadores da Ordem. Ficaram célebres os sermões que proferiu em Forli, Provença, Languedoc e Paris. Em todos esses lugares suas prédicas encontravam forte eco popular, pois lhe eram atribuídos feitos prodigiosos, o que contribuía para o crescimento de sua fama de santidade.
A saúde sempre precária levou-o a recolher-se ao convento de Arcella, perto de Pádua, onde escreveu uma série de sermões para domingos e dias santificados, alguns dos quais seriam reunidos e publicados entre 1895 e 1913. Dentro da Ordem Franciscana, Antônio liderou um grupo que se insurgiu contra os abrandamentos introduzidos na regra pelo superior Elias. Antônio estava muito doente. Tinha hidropisia (Acúmulo patológico de líquido seroso no tecido celular ou em cavidades do corpo). Após as pregações da Quaresma de 1231 sentiu-se cansado e esgotado. Precisava de repouso. Os frades fizeram para ele um quarto em cima de uma árvore, mas mesmo assim o povo o procurava. Decidiram então leva-lo a Pádua. Agasalharam o frei e colocaram em uma carro puxado por bois. A viagem era longa. Antônio foi piorando. Pararam em um povoado que havia um convento franciscano. Antônio piorava, precisava ficar sentado pois sofria de falta de ar. Recebeu os sacramentos e se despediu de todos e ainda cantou o bendito: "Ó Virgem gloriosa que estais acima das estrelas..." Depois ergueu os olhos para o céu e disse. "Estou vendo o Senhor". Pouco depois morreu. Era dia 13 de junho de 1231. Frei Antônio tinha apenas 36 anos de idade.
Após um brevíssimo processo de canonização-o mais rápido da história da Igreja-é elevado aos altares em 13 de maio de 1232 pelo papa Gregório IX. Em 1946 é oficialmente proclamado Doutor da Igreja pelo papa Pio XII, sendo-lhe atribuído o epíteto de Evangélico pelo vasto conhecimento das Sagradas Escrituras patente nos seus Sermões.
Homem de oração, Santo Antônio se tornou santo porque dedicou toda a sua vida para os mais pobres e para o serviço de Deus.
Diversos fatos marcaram a vida deste santo, mas um em especial era a devoção a Maria. Em sua pregação, em sua vida a figura materna de Maria estava presente. Santo Antônio encontrava em Maria além do conforto a inspiração de vida.
O seu culto, que tem sido ao longo dos séculos objeto de grande devoção popular é difundido por todo o mundo através da missionação e miscigenado com outras culturas (nomeadamente Afro-Brasileiras e Indo-Portuguesas).
Santo Antônio torna-se um dos santos de maior devoção de todos os povos e sem dúvida o primeiro português com projeção universal. De Lisboa ou de Pádua, é por excelência o Santo "milagreiro", "casamenteiro", do "responso" e do Menino Jesus. Padroeiro dos pobres é invocado também para o encontro de objetos perdidos. Sobre seu túmulo, em Pádua, foi construída a basílica a ele dedicada.

OS MILAGRES:


Santo Antônio será sem dúvida o "Santo dos Milagres" e, de todos, aquele que mais merece esse epíteto no mundo cristão.

A sua taumaturgia iniciada em vida com uma pluralidade de milagres que lhe valeram a canonização em menos de um ano, é, na história da Igreja, a mais vasta e variada.
De Santo "casadoiro" a "restituidor do desaparecido", passando por "livrador" das tentações demoníacas, a Santo Antônio tudo se pede não como intercessor mas como autoridade celestial. No entanto, cingir-nos-emos a milagres operados em vida como paradigmáticos dessa taumaturgia: Santo António a pregar aos peixes, livrando o pai da forca e a aparição do Menino Jesus em casa do conde Tiso.
Quanto ao primeiro milagre -Santo Antônio prega aos peixes- reza a lenda que estando a pregar aos hereges em Rimini, estes não o quiseram escutar e viraram-lhe as costas. Sem desanimar, Santo António vai até à beira da água, onde o rio conflui com o mar, e insta os peixes a escutá-lo, já que os homens não o querem ouvir. Dá-se então o milagre: multidões de peixes aproximam-se com a cabeça fora de água em atitude de escuta. Os hereges terão ficado tão impressionados que logo se converteram. Este milagre encontra-se citado por diveros autores, tendo sido mesmo objeto de um sermão do Padre Antônio Veira que considerado uma das obras-primas da literatura portuguesa.
No segundo milagre, Santo António livra o pai da forca. Conta a lenda que estando o Santo a pregar em Pádua, sentiu que a sua presença era necessária em Lisboa e recolheu-se, cobrindo a cabeça em silêncio reflexão. Simultaneamente (e mercê do dom de bilocação) encontra-se em Lisboa, onde seu pai tinha sido injustamente condenado pelo homicídio de um jovem. Este, ressuscitado e questionado pelo Santo, afirma a inocência do pai de Santo António e volta a descansar.
Liberta-se assim o inocente que por falso testemunho tinha sido acusado. Santo António põe-se então "a caminho" e, subitamente, "acorda" no púlpito em Pádua recomeçando a sua pregação. Representam-se assim aqui dois fatos miraculosos num só: a bilocação e poder de reanimar os mortos.O terceiro milagre, também reportado na crônica do Santo, ocorre já no fim da sua vida e foi contado pelo conde Tiso aos confrades de Santo António após sua morte. Estando o Santo em casa do conde Tiso, em Camposampiero, recolhido num quarto em oração, o conde, curioso, espreita pelas frinchas de uma porta a atitude de Frei Antônio; depara-se-lhe então uma cena miraculosa: a Virgem Maria entrega o Menino Jesus nos braços de Santo Antônio. O menino tendo os bracinhos enlaçados ao redor do pescoço do frade conversava com ele amigavelmente, arrebatando-o em doce contemplação. Sentindo-se observado, descobre o "espião", fazendo-lhe jurar que só contaria o visto após a sua morte.
São estes os três mais famosos milagres de Santo Antônio, embora muitos mais pudessem ser referidos. Nas "Florinhas de Santo Antônio" ou no "Tratado dos Milagres" é relatado um milagre praticamente para cada dia do ano, o que reafirma o seu carácter taumaturgo.
Fonte: catolicanet (em 2013)

Santo Antônio de Pádua (presbítero)

Francisco de Assis, que encontrou o jovem frei Antônio por ocasião do capítulo geral, ocorrido no Pentecostes de 1221, chamava-o confidencialmente de "o meu bispo. "Antônio, cujo nome de registro é Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo, nasceu em Lisboa em 1195.
Entrou aos quinze anos no colégio dos cônegos regulares de santo Agostinho. Em apenas nove meses aprofundou tanto o estudo da Sagrada Escritura que foi chamado mais tarde por Gregório IX "arca do Testamento." Uniu à cultura teológica a filosófica e a científica, muito vivas pela influência da filosofia árabe.
Cinco franciscanos tinham sido martirizados no Marrocos, onde tinham ido para evangelizar os infiéis; Fernando viu seus ataúdes transportados para Portugal em 1220, e decidiu seguir-lhes os passos, entrando na Ordem dos frades medicantes de Coimbra, com o nome de Antônio Olivares.
http://www.acidigital.com/santos/santo.php?n=335

Santo Antônio de Pádua (ou de Lisboa)


Comemoração  litúrgica - 13 de junho.

Também nesta data: São Peregrino e Santa Aquilina

Poucos são os Santos que com Santo Antônio poderão se comparar em popularidade, entre o povo católico. Com grande pompa e alegria lhe celebra a festa e todos, com confiança a este Santo se dirigem nas necessidades materiais e espirituais.
Santo Antônio pertence ao século treze. Antes da entrada para a Ordem Franciscana, tinha o nome de Fernando. Acredita-se que era descendente de família nobre, oriunda da França, que no tempo das cruzadas teria prestado grandes serviços a Afonso VI de Castilha contra os Mouros, ou  tomado parte ativa na reconquista de Lisboa, do poder dos Maometanos. Nascido em Lisboa, em 1195, recebeu a primeira instrução na escola da Catedral. Na idade de apenas 15 anos, entrou para o convento dos Cônegos de Santo Agostinho. Como, porém, o fácil acesso dos parentes ao convento se lhe tornasse prejudicial, pediu e alcançou transferência para o mosteiro mais austero de Coimbra. Lá ficou dez anos, dedicando esse tempo todo à oração, às funções sacerdotais e ao estudo da teologia.
Um fato extraordinário causou uma transformação na vida de Santo Antônio. Os Franciscanos possuíam em Coimbra um pequeno convento, não muito distante do mosteiro dos cônegos regulares. Em certa ocasião, passaram por Coimbra cinco missionários Franciscanos, com destino à Marrocos, onde pretendiam pregar a fé cristã aos Maometanos.
Esses missionários acharam em Marrocos a morte de martírio. Em 1220 voltaram seus cadáveres e foram com grande solenidade expostos na igreja do Convento, onde se achava Antônio. Com licença do Prior, pediu o hábito de São Francisco, mudou-se para o Convento dos Franciscanos e tomou o nome de Antônio. No mesmo ano o vemos em companhia de um Irmão, em viagem para África. O homem põe, Deus dispõe. Acometido de uma febre violenta, viu-se obrigado a voltar para Portugal; uma grande tempestade no alto mar desorientou o rumo do navio, que foi aportar na Sicília. Era no ano em que uma circular de São Francisco convidara os religiosos, para se reunirem num capítulo geral em Assis.
Compareceram 3.000 frades e, entre tantos religiosos, Antônio desaparecia. Ninguém o conhecia, e parece que nem São Francisco não lhe dava atenção. Quando, no fim do capítulo, os frades receberam cada um seu destino, somente Antônio ficou, como estranho, à disposição do vigário geral da Ordem. Afinal achou um Superior na pessoa de Frei Graciano,  Provincial da Romagna e com ele seguiu. O único ofício que tinha era celebrar Missa num pequeno convento da proximidade de Forli, onde diversos confrades, cujo estado de saúde reclamava descanso, viviam em comunidade. Os noves meses que Antônio lá ficou, passou-os na mais completa solidão, em uma pequena ermida, entregue as práticas de piedade e de penitência. Aconteceu que em Forli assistisse à ordenação de diversos religiosos. Na falta de um pregador, o Provincial ordenou a Antônio que dirigisse umas palavras de edificação aos neo-presbíteros. Obediente à ordem recebida, Antônio fez uma alocução, que a todos deixou cheios de admiração. Foi esta a hora da revelação de um grande talento, até então de todos ignorado. Uma vez conhecido, os Superiores o puseram à luz, e começou a obra grandiosa e benéfica de Santo Antônio, como missionário.
São Francisco, vendo a necessidade de proporcionar aos futuros missionários uma instrução, que os pusesse a altura do ministério sagrado, viu em  Antônio o personagem idôneo, para desempenhar vantajosamente o papel de mestre, e nomeou-o “Lector” de teologia. Grande lhe era, ao mesmo tempo, a atividade, como pregador na Romagna, onde a seita dos cátharos se estendia com rapidez assustadora. Mandado por São Francisco ao Sul da França, com São Domingos, abriu campanha contra os Albigenses. Já naquele tempo, Deus distinguiu seu servo com o dom dos milagres. A palavra eloqüente e arrebatadora, a santidade de vida e o número cada vez mais crescente dos milagres, fizeram com que a heresia sofresse sérios revezes. Após a morte de São Francisco, Antônio continuou as pregações na Itália, e desde Florença até Udine, de Milão até Veneza, não havia cidade que não tivesse admirado a eloqüência e os milagres estupendos do Santo Missionário.
No ano de 1230, assistiu, como Provincial de Milão, ao capítulo geral da ordem de Assis, onde fez enérgica repulsa às idéias inconstitucionais de frei Elias. Mandado a Roma, para apresentar ao Papa Gregório IX uma nova redação das constituições sobre o voto de pobreza, nesta mesma ocasião pregou diante do colégio cardinalício. Tanto era o conhecimento da Sagrada Escritura, de que naquele discurso deu prova, que o Papa o distinguiu com o título honroso de “Arca do Testamento e Arsenal das Sagradas Escrituras”. Desde o ano de 1230, o campo exclusivo de sua ação era a cidade de Pádua, importante pela riqueza, poder e universalidade. Antônio tinha-lhe amor, por causa do espírito religioso do povo e pelo infortúnio que a entregara ao despotismo de Ezelino III. A palavra do Santo dirigiu-se contra a heresia, a corrupção dos costumes e a usura. Muitas inimizades foram exterminadas  e muitos encarcerados alcançaram a liberdade, por seu intermédio. Apesar da saúde bastante debilitada, era incansável no púlpito e no confessionário. As igrejas eram pequenas para comportar o povo, que lhe afluía às prédicas.
O resultado grandioso dos trabalhos do santo pregador era motivado por três circunstâncias. A primeira era a grande santidade. Antônio era homem de Deus e o povo chamava-o simplesmente: “o Santo”. A segunda era o zelo e o modo particular de pregar. Como São Francisco, servia-se da linguagem popular, tomando a Sagrada Escritura, os Santos Padres, por base da argumentação. Os hereges refutava-os não tanto por argumentações filosófica e teológica, mas desmascarando-lhes as intenções e práticas. Santo Antônio talvez não fosse orador tão brilhante, mas o que lhe dava força às prédicas, era a simplicidade, clareza e naturalidade, com que falava. Finalmente, os milagres, que fazia, eram o terceiro fator, que poderosamente concorreu, para seus trabalhos na vinha do senhor terem tido tanto sucesso. É esta a nota característica na vida de Santo Antônio. “Se procurares milagres – diz São Boaventura, no hino que compôs em honra do Santo – “ide a Antônio”.
Santo Antônio é o taumaturgo do seu século. Quem é que não tenha lido ou ouvido falar da mula do judeu, que por ordem do Santo se prostrou de joelhos na presença do Santíssimo Sacramento; dos peixes, que vieram à tona d’água para ouvir as palavras de Antônio; das profecias e revelações de segredos íntimos, das curas maravilhosas e ressurreição de mortos? Admito que nem todos os milagres, atribuídos a Santo Antônio, suportem o bisturi de uma crítica imparcial e cuidadosa, certo é que poucos Santos, como Santo Antônio, têm possuído o dom de fazer milagres, dom de que com tanta amabilidade se serviu, para atrair os corações e dirigi-los à Deus.
Antônio morreu no ano de 1231, sendo-lhe o corpo sepultado em Pádua, na Igreja de Nossa Senhora. Os milagres que lá se deram, puseram em movimento a Itália toda. Centenas de procissões dirigiram-se ao túmulo do pobre Franciscano, e milhares de devotos chegaram descalços, para render homenagem ao grande amigo de Deus, cuja canonização teve lugar em 30 de maio de 1232, isto é, onze meses depois da sua preciosa morte. Inscreveu-o no Catálogo dos Santos o Papa Gregório IX. Quando em 1263 lhe foi exumado o corpo, descobriu-se-lhe que a língua estava intacta, enquanto tudo o mais tinha pago tributo à decomposição. Neste estado de conservação, é exposta até hoje à devoção dos fiéis.
Duas virtudes se encontram na vida de Santo Antônio: a simplicidade e humildade. Amigo de Jesus humilde, este se digna comunicar-se ao Amigo, e em figura de menino descer-lhe aos braços e permitir que o cobrisse de carícias. Santo Antônio procurou o martírio: Belo seria com a palma da vitória. Mais belo é tendo nos braços o Menino Jesus, a coroa dos Mártires.
O amável e glorioso Santo Antônio é invocado pelos devotos, para faze-los achar objetos perdidos. É considerado padroeiro do matrimônio e das noivas, como também defensor contra a peste e epidemias. Praza a Deus que em nós encontre um coração cheio de amor e abnegação.
A 10 de janeiro de 1946 o Santo Padre Pio XII com a plenitude do poder apostólico, constituiu e declarou a Santo Antônio de Pádua Confessor e Doutor da Igreja universal.
Reflexões:
Santamente embora, como viveu Santo Antônio a vida foi-lhe uma constante preparação para a morte. Muitos cristãos não se preocupam com a morte, e vivem como se nunca lhes houvesse de soar a hora da partida para a eternidade. No entanto, é a meditação sobre a morte uma das mais úteis, conseguindo, se aliás for bem feita,o completo desapego das coisas deste mundo, que tão facilmente nos fazem desviar do caminho da salvação.
“A sabedoria- diz o Espírito Santo, - é encontrada nos túmulos”. Uma visita corporal ou em espírito ao cemitério é sempre de grande utilidade. A retórica dos túmulos e dos ossos nele encerrados, se bem que muda, é eloquentíssima. Se, como por ordem do profeta, pudesse chamar à vida todos os que ali estão sepultados, que te diriam eles?  “Insensatos, que fomos! Porque não quisemos compreender antes o que éramos e o que um dia seríamos, só para ele vivemos, e o mundo de nós não mais lembra. Os bens que deixamos, ficaram nas mãos dos outros, e para a eternidade nenhuma providência tomamos. Insensatos que fomos!” – Falariam mais ou menos dessa maneira. Tira, pois, as conclusões em teu proveito.
Fonte: Página Oriente em 2016

Santo Antônio de Pádua

NascimentoNo ano de 1195
Local nascimentoLisboa (Portugal)
OrdemFranciscano
Local vidaPádua (Itália)
EspiritualidadeNasce em Lisboa em 1195. Aos 27 anos fez-se franciscano e tomou o nome de Antonio em recordação de São Antonio Pároco. Em 1195, data de seu nascimento, seus pais e familiares chamaram-no de Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo. Foi a evangelizar na África porém o clima e do trabalho o adoentaram. Embarcou para Espanha porém uma tempestade o levou para a Itália. Ali e na França pregou prevenindo as pessoas para que não se deixassem enganar por aqueles hereges albigenses. Fixou sua residência em Pádua, cidade universitária. Ali conseguiu os melhores frutos de seus sermões e adquiriu uma fama imensa. O Papa Leão XIII o chamou "o santo do mundo inteiro", porque sua imagem e devoção encontram-se por todas partes. Foi um evangelizador incansável. Repetia que o grande perigo do cristão de pregar e não praticar, crer porém não viver de acordo com o que se acreditava. Os favores que consegue são imensos. E mais amado e invocado pelo povo humilde que vê nele um protetor dos pobres e necessitados. Também é conhecido como Santo Antônio de Pádua, por ter vivido nessa cidade italiana. É um dos santos mais populares em todo o mundo. Nasceu em Lisboa, e depois de ser algum tempo agostiniano ingressou na Ordem franciscana, da qual foi um dos maiores expoentes. Pregou na Itália e no sul da França, conseguindo muitos milhares de conversões. Combateu arduamente a heresia dos cátaros e patarinos, dominante no seu tempo, pelo que o chamavam de "incansável martelo dos hereges". Não apenas os combatia no púlpito, pela pregação, mas também por meio de milagres espantosos. Sabia de cor quase todas as Escrituras e tinha um dom especial para explicar e aplicar as mais difíceis passagens. Faleceu em 1231, com apenas 36 anos de idade. Sua língua, que tanto pregara a palavra divina, foi preservada da corrupção e até hoje é venerada num relicário, em Pádua. Foi cognominado o "Doutor Evangélico" .Dezenas de paróquias e comunidades prestam permanente homenagem a Santo Antônio, em São Paulo, ostentando o nome deste santo português, cuja festa é no dia 13. Trezenas, novenas, tríduos, missas, procissões e outras formas de expressão religiosa comemoram este santo, popular em Portugal, na Itália, na França, no Brasil, no mundo inteiro. Chamado de casamenteiro, protetor dos pobres, padroeiro dos objetos perdidos, ele é o pregador do Evangelho. Santo Antônio, um grande homem de fé, ganhou, quando nasceu, o nome de Fernando. Dezenas de paróquias e comunidades prestam permanente homenagem a Santo Antônio, em São Paulo, ostentando o nome deste santo português, cuja festa é no dia 13. Trezenas, novenas, tríduos, missas, procissões e outras formas de expressão religiosa comemoram este santo, popular em Portugal, na Itália, na França, no Brasil, no mundo inteiro. Chamado de casamenteiro, protetor dos pobres, padroeiro dos objetos perdidos, ele é o pregador do Evangelho.
Local morteArcela (Itália)
MorteNo ano de 1231, com 36 anos de idade
Fonte informaçãoSanto nosso de cada dia, rogai por nós
OraçãoPara a proteção dos Empreendimentos Glorioso Santo Antônio, que tivestes a sublime dádiva de abraçar e afagar o Menino Jesus, alcançai-me deste mesmo Jesus a Graça que vos peço e vos imploro do fundo do meu coração; (pede-se a graça). Vós que tendes sido tão bondoso para com os pecadores, não olheis para os poucos méritos de quem vos implora, mas antes fazei valer o vosso grande prestígio junto a Deus para atender o meu insistente pedido, Amém. Santo Antônio, rogai por nós. (Rezar 1 Pai Nosso, 1 Ave Maria e 1 Glória ao Pai)
DevoçãoAos pobres e necessitados, tanto material quanto espiritualmente
PadroeiroDa pureza, dos objetos perdidos e dos casamentos
Outros Santos do diaAna e João, Antípatro, Arnóbio, Pedro e Asquirião, Argênides e Belfixo (confs); Fândila de Córdoba, Felícula, Aquilina,(virgens); Aventino, Primo, Feliciano e Concorde, Fortunato e Luciano (mártires); Trifílio, Prisco, Ceteu (bispos); Jacó (monge).
Fonte: ASJ em 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário